Doença Biliar

Doença-Biliar-medico-dr-james-fukuda.png

A doença biliar refere-se às doenças que afetam os ductos biliares, a vesícula biliar e outras estruturas envolvidas na produção e transporte da bile.

 

A bile é um fluido produzido pelo fígado que ajuda na digestão. A bile drena do fígado, através dos ductos biliares, para a primeira parte do intestino delgado e, eventualmente, de volta para os ductos biliares e fígado. Se algum ducto desse complexo sistema se tornar doente ou bloqueado, isso pode resultar em várias doenças graves.

Fatores de risco: Hereditariedade, aumento da idade, obesidade e dieta rica em gordura. Certas condições gastrointestinais e certos medicamentos prescritos podem aumentar o risco de desenvolver doença biliar.

Cálculo de vesícula biliar

A vesícula biliar é um órgão, em forma de pêra, expansível, localizado abaixo do fígado. A vesícula armazena bile, um líquido verde escuro produzido pelo fígado que ajuda o corpo a digerir e absorver alimentos.

Depois que você come, sua vesícula biliar libera a bile em seu ducto cístico. A partir daí, a bile se move para baixo do ducto biliar comum e entra no intestino delgado.

Às vezes esse processo é inibido e a bile se acumula dentro da vesícula biliar. Esse acúmulo pode levar à criação de cálculos biliares ou cálculos da vesícula biliar. Os cálculos biliares também podem se formar a partir de outras substâncias do corpo, como cálcio, bilirrubina ou colesterol.

Estes cálculos biliares não são um problema, desde que sejam em pequeno número e permaneçam no espaço da vesícula biliar. No entanto, se um deles bloquear o ducto cístico (saída da vesícula), podem ocorrer dor, inflamação e infecção.

A colecistite aguda é uma inflamação da vesícula biliar. Na maioria dos casos ela é causada por cálculos biliares.

Sintomas de cálculo da vesícula biliar com colecistite aguda

Se você tem cálculo da vesícula biliar com colecistite aguda, você pode sentir alguns dos seguintes sintomas:

  • Dor abaixo das costelas a direita.

  • Sensibilidade abdominal.

  • Náusea.

  • Vômito.

  • Urina escura.

  • Fezes claras.

  • Febre.

  • Arrepios.

  • Suor

Os cálculos podem permanecer sem causar sintomas por anos. A dor ocorre quando um desses cálculos obstrui a saída da vesícula (ducto cístico), levando a sua distensão e causando dor (cólica biliar). Se esse cálculo desobstruir e liberar a saída da bile da vesícula, a dor passará, caso contrário, poderá levar a inflamação (colecistite aguda).

O aparecimento da dor é muitas vezes repentino e pode ser intenso. Muitas vezes a dor é constante, podendo durar alguns minutos ou até horas e pode piorar após as refeições.

 

Detecção e diagnóstico:

Os testes realizados variam de acordo com a suspeita de distúrbio biliar. No entanto, testes comumente realizados para diagnosticar muitos distúrbios do ducto biliar podem incluir:

  • Exames de sangue.

  • Testes de função hepática.

  • Ultrassom.

  • Ultrassonografia endoscópica.

  • Tomografia computadorizada (TC).

  • Ressonância Magnética (MRI).

  • Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE).

  • Biópsia hepática.

Tratamento:

  • Medicamentos/antibióticos: Os pacientes são tratados com medicamentos para aumentar o fluxo de bile do fígado e antibióticos são usados ​​para tratar infecções.

  • Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE): Este procedimento pode ajudar a identificar e remover cálculos biliares do ducto biliar.

  • Colecistectomia: Cirurgia para retirada da vesícula bilar.

  • Coledocostomia: Cirurgia para drenar a bile do fígado quando os ductos biliares estão bloqueados.

 

Prevenção:

Distúrbios biliares, devido aos cálculos biliares, podem ser prevenidos com a remoção da vesícula biliar. A formação de cálculos biliares também pode ser evitada através de uma dieta bem equilibrada, mantendo um peso saudável e se exercitando regularmente.

dr james fukuda logo.png